Pular para o conteúdo principal

Até que ponto vale à pena ficar pagando aluguel?

Pagar aluguel de casa está cada vez mais caro, mas algumas pessoas só tem (ou preferem) essa opção para atingir a independência residencial. O problema é que, com o aquecimento do mercado imobiliário, os imóveis ficaram super valorizados nos últimos anos e, agora, pagar aluguel está cada vez mais difícil para muita gente.

O aluguel tem suas vantagens – ao contrário do que muita gente pensa e paga-lo pode ser uma boa saída. O aluguel é uma forma de conquistar o sonho de ter uma casa para chamar de sua, mesmo que momentaneamente, sem ter que investir de cara um capital de giro alto ou dar uma entrada expressiva no imóvel para dar conta de pagar as prestações.


Os imóveis podem ser alugados de forma simples, sem muita burocracia e rendem margem para negociações, o que é muito bom. Dessa forma a pessoa recebe as chaves e vai morar no lugar escolhido sem ter que despender de algum dinheiro extra para isso. Os contratos de aluguel de casa são curtos, com cerca de um ano de duração, e aí reside outra vantagem: caso você enjoe de morar no mesmo lugar durante muitos anos, pode simplesmente trocar de casa sem maiores complicações, sem ter que mexer em documentos ou vender uma casa para dar entrada em outra.

Mas tem gente que não compra essas vantagens, e espera o momento certo para adquirir a casa própria. Isso porque pagar aluguel tem várias desvantagens. Agora chegou a hora de apresenta-las: a primeira delas é que você poderia estar investindo num bem próprio, como a casa, e poupando algum dinheiro – mas, ao invés disso, está apenas pagando o aluguel, que não deixa de ser um investimento sem retorno.

Afinal, quando você sair do imóvel, não importa se ele desvalorizar ou valorizar, você não é a pessoa que vai se beneficiar com isso. Alguns dizem que pagar aluguel impossibilita muito a compra da casa própria, já que o dinheiro que poderia ser poupado é investido nas agências imobiliárias. Outra desvantagem é que no caso do aluguel você não pode fazer nenhuma reforma ou mudança de estrutura do imóvel sem antes entrar em contato com o dono do imóvel.

Por isso a casa própria, sem aluguel, ainda é a melhor opção. E para os que querem entrar de vez nesse sonho, o melhor momento para investir na casa própria é quando existir uma reserva boa de dinheiro (ou de bens) para servir de entrada e diminuir o valor (e os juros) das prestações. A dica é contatar o corretor de confiança para que ele possa estudar as melhores casas e apartamentos para cada tipo de bolso.

Não tenha medo de investir em uma casa própria! Nossas vidas são feitas de alguns sacrifícios, e para muitos, a casa própria é um desses sacrifícios que devemos encarar com muita coragem e determinação. O retorno que uma casa própria pode lhe render é inestimável, além de ser um bem que passará para as outras gerações. Invista num imóvel e realize esse sonho!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frizz: saiba como domar esse vilão

Sabe quando você faz aquele penteado lindo, mas aqueles fios arrepiados cismam em aparecer? Esses são os chamados “frizz”, vilão do dia a dia de grande parte das mulheres. Principalmente nos dias mais frios ou com o clima mais úmido, controlar esses fios parece ainda mais difícil, e o cabelo ainda fica com um aspecto de desidratado.

Mas esse problema do cabelo mais rebelde tem solução, e ela pode ser mais simples e prática do que parece. Com alguns cuidados, você pode garantir um cabelo mais bonito e saudável e domar o grande vilão que é o frizz. Confira as dicas:



Acerte na escolha do shampoo e condicionador

Principalmente em épocas de outono e inverno, quando a temperatura está mais baixa, é importante que o shampoo e o condicionador sejam escolhidos corretamente para cada tipo de cabelo. Além de fazer a opção mais adequada para o tipo dos seus fios, eleja produtos de qualidade e que contem com ingredientes específicos para combater o frizz. A Inoar, por exemplo, possui kits que proporc…

Gênios bebês

Ter gênios bebês parece ser o sonho de todo pai e mãe. Uma prova disso são as vendas de DVDs que prometem fazer do seu filho um Einstein, tanto quanto as matrículas em escolas bilíngues e mil outras atividades criadas para fazer das crianças atuais pessoas mais inteligentes que seus ancestrais.

Li na semana passada uma reportagem da revista Época intitulada O mundo segundo os bebês, escrita por Marcela Buscato.  Embora seja um pequeno tratado de novidades e estudos sobre a mente dos bebês, com informações sobre a real capacidade cognitiva deles, a matéria é um balde de água fria em certos pais que esperam que os aparelhos eletrônicos façam tudo por seu filho. A realidade - que achei muito positiva - é que o contato humano ainda é o maior incentivo para uma criança. E neste sentido, Marcela Buscato indicou algumas coisa que dão certo para estimular a inteligência do bebê:

- Falar tatibitate - as frases curtas com pronunciação estendida de sílabas e vogais torna os sons mais claros e ajud…